Bola oficial da Copa do Mundo no Catar

Copa no Catar, um mundial diferente

A primeira Copa do Mundo no Oriente apresenta várias restrições e os turistas vão ter que prestar atenção, já que essa promete ser um torneio diferente, nas arquibancadas pelo menos

Por Beatriz Amaral, Fernando Keller,João Teles, Leonardo Cenize, Lucas Passoli, Maria Fernanda Viana e Rafaela Bovo 

À primeira vista, a Copa no Catar tem cara de proibidão. Não pode beber, nada de roupas curtas, nem corpos à mostra ou beijos em público. Fotos e selfies, cuidado, em algumas áreas pode levar até à prisão. Mas o primeiro Mundial de futebol em um país cuja religião predominante é o islamismo, que conta com valores e costumes pouco conhecidos do Ocidente, vai ser um grande teste para a tolerância e o respeito às diferenças. 

“Quando cheguei no Brasil, minha família sofreu muito e fui obrigada a me adaptar à cultura daqui”, justifica Aisha Al-Shariq, de 49 anos. Muçulmana e imigrante, ela veio ao Brasil motivada pelo trabalho de seu marido. Mesmo longe de seu país de origem, segue fielmente o islamismo. Quando questionada sobre a flexibilização dos costumes durante o período da Copa no Catar, Aisha relata que não aprova o  “enfraquecimento” de sua cultura. 

O caso de Aisha é um dentre muitos no Brasil e no mundo. O discurso de ódio e a intolerância religiosa em relação ao povo muçulmano se sobressai quando comparada a outras religiões. Essa antipatia muitas vezes é baseada em preceitos equivocados, como relacionar a religião a ataques terroristas. Do ponto de vista de Aisha, durante o período da Copa do Mundo de 2022, turistas podem ser preconceituosos com moradores do Catar, além de demonstrar aversão à religião do país, fazendo com que os moradores não se sintam seguros em seu lar. 

Encontro de organizadores da Copa do Mundo com representantes da OMS – Foto: Divulgação/Fifa

Não existe uma cartilha Fifa, a entidade que organiza os Mundiais de futebol,  de como se comportar no Catar. Mas a fala de Luiz Alberto Figueiredo, embaixador do Brasil no país do Oriente Médio, ajuda a explicar o que os turistas enfrentarão. “Aqui não se bebe na rua. A bebida é franqueada apenas nos hotéis. Na Copa, haverá as chamadas “fan zones”, onde haverá a venda de bebidas alcoólicas para atender os hábitos dos torcedores”, afirmou Figueiredo em entrevista para a EBC. Já se sabe que o preço das bebidas não será tão acessível. A long neck, bebida muito apreciada pelos brasileiros, pode chegar a 50 qatari riyal (em média R$ 45).

Além do consumo de bebidas alcoólicas, existem recomendações relacionadas à vestimenta. Ombros e joelhos devem permanecer tampados; mulheres podem usar calças largas e saias longas e camisetas com mangas pelo menos até os cotovelos. Os trajes de banho só serão permitidos em praias e áreas de lazer de hotéis. Outra recomendação é a de que qualquer tipo de demonstração de afeto estão proibidas e que é de extrema importância ser discreto em ambientes públicos, evitando conversar com pessoas desconhecidas do sexo oposto. Também é necessário tomar cuidado ao tirar fotos. Fotografar pessoas, templos religiosos e áreas militares acarretam punições graves, podendo chegar até à prisão. Considerando que a visão de mundo de cada ser humano é muito diversificada, dependendo de sua localidade, hábitos, costumes e tradições, vale ressaltar que, apesar de se identificar ou não com os elementos constitutivos de cada grupo, a diversidade cultural de cada país deve ser respeitada.

1 comentário em “Copa no Catar, um mundial diferente”

  1. Paulo Rogério Teles

    Parabéns pele reportagem!
    Achei muito legal saber de detalhes e costumes que devem ser respeitados pelos turistas. Com certeza será uma copa do mundo bem diferente, a começar pela data em que vai ser realizada.
    Um abraço
    Rogério

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.