Esportes

Champions League opõe o franco favorito e a zebra da temporada

Na quarta-feira (17), a Champions League foi definida com Manchester City chegando à sua segunda final e a inesperada Internazionale de Milão, que amargava 13 anos de fila no campeonato

Por Luís Matias, Sofia Faltz, João Xerfan, Renata Fiedler e Maria Eduarda Vieira

Pela primeira vez na história da Champions League, Manchester City e a Internazionale se enfrentam em uma final. O time inglês, favorito desde o começo da Liga, chega em sua segunda disputa pelo título, enquanto a Inter de Milão amargou uma fila de 13 anos longe do pódio. O maior campeonato do continente europeu, a Liga dos Campeões (em português), traz times com cenários muito distintos.
De um lado, temos o Manchester City, um dos clubes mais tradicionais da Inglaterra, que trabalha de forma obstinada para conquistar seu primeiro título da Champions League. Já a Internazionale, ao longo do campeonato, vem de uma trajetória surpreendente. Nem o sofrido torcedor italiano poderia imaginar que eles chegariam à grande final da Europa, caracterizando a Inter como a grande zebra da temporada.
À frente do Manchester City, time que cresce a cada temporada, está o badalado técnico Josep Guardiola. “Existe futebol antes e depois dele”, resume o jornalista Guilherme Ramos, da Premier League Brasil. Josep, ou Pep Guardiola, está entre os maiores da história, não só pelos resultados, mas porque o técnico espanhol revolucionou o futebol moderno com táticas aperfeiçoadas por ele. “Ele é um cara que revolucionou no sentido de filosofia de jogo.”

O fator Guardiola

O treinador começou sua carreira no Barcelona, onde conquistou 14 títulos entre 2008 e 2012. No seu currículo também consta outro “troféu”: ele revelou Lionel Messi. O time catalão era muito bom e com Messi jogando de falso nove (atacante armador), ficou imbatível. “Já é indiscutivelmente o maior do Barcelona”, comentou o jornalista Celso Unzelte.
Guardiola teve ainda uma passagem pelo Bayern de Munique. Não conquistou nenhuma Champions League, mas ganhou sete títulos com o clube alemão. Algumas pessoas consideram essa passagem pela Alemanha como a menos significativa.
Depois de passar pela Espanha e pela Alemanha, Guardiola decidiu ir para o futebol inglês, na época já considerado o mais disputado de todos. Pep conquistou 12 troféus, porém também nenhuma das Champions League.

A volta do futebol italiano?

Reprodução: UEFA Champions League

A Inter de Milão, um clube que assistiu seu país perder a soberania do futebol nas duas últimas Copa do Mundo, vivia um dilema interno. A liga italiana sempre foi uma das mais competitivas na Europa, tendo times históricos como o Milan, de Maldini, ou a Inter, de Adriano Imperador. Mas perdeu prestígio por causa dos fracassos dos times italianos na Champions League. A última conquista foi em 2010 com a Inter. A Juventus chegou a duas finais, mas voltou para casa com dois vice-campeonatos, em 2015 e 2017.
Outro fator é o escândalo do Calciopoli, investigação de 2004 até 2006, que envolveu esquemas de manipulação de resultados no campeonato italiano, situação que o Brasil vive agora. O nome da Internazionale não esteve envolvido nas investigações, mas gigantes como Juventus e Milan sofreram severas punições. Grandes craques preferiram abandonar os clubes italianos, já que não valia a pena jogar em uma liga em decadência.
Toda essa situação causou uma enorme crise financeira dentro dos times da Itália. “A gente teve o pior momento da história do futebol italiano entre 2011 e 2020, mais por investimentos fora do campo”, comentou Marcello Giulio, ex-treinador da base da Internazionale e que já trabalhou na Fifa. O italiano, que falou com a FACTUAL900 no Brasil, onde mora, completou: “O futebol italiano se adaptou mais ao jogo moderno, tinha ficado parado um pouco no tempo em termos táticos”.
A Inter numa final da Champions League indica uma possível tendência de reascenção dos times italianos dentro do futebol europeu. “Tem muita coisa legal acontecendo lá e dessa vez não é só a Juve, o futebol tá bem mais competitivo, então aumenta as chances dos italianos no geral, porque todo o talento não está mais concentrado só na Juventus”, disse a jornalista esportiva Laura Oliveira, do Globo Esporte.

E a Bola de Ouro, quem leva?

É impossível falar sobre Champions League sem pensar no prêmio da Bola de Ouro. A tradicionalíssima premiação do futebol mundial está cada vez mais acirrada. E os olhos estarão voltados aos jogadores da grande final. O Manchester City nunca teve um jogador com tantas chances de vencer a premiação, enquanto o último vencedor que garantiu o prêmio vestindo a camisa do clube italiano foi Ronaldo Fenômeno, em 1998. Os nomes em destaque dos times finalistas são: Erling Haaland, do Manchester City, e Lautaro Martínez, da Inter de Milão.

Erling Haaland

Reprodução: UEFA Champions League

Uma das principais peças de Guardiola no Manchester City é o atacante Erling Haaland. Em sua primeira temporada pelo clube inglês, já possui 49 jogos marcando, 52 gols e 8 assistências, números de fazer inveja a qualquer jogador.
Desde a base e já no profissional, quando atuava no RB Salzburg, o jovem encantou o mundo ao marcar em cinco jogos consecutivos de Liga dos Campeões. Na mesma temporada, o Borussia Dortmund o contratou. Lá, Haaland, despontou a fazer gols, nos seus dois anos na Alemanha, Halland marcou 86 gols em 89 jogos.
Na atual temporada (22/23), Haaland chegou a Manchester City como “a última peça do quebra-cabeça”; ele era tudo que o clube precisava, alguém que decidisse na hora H, já que o clube de Manchester sempre era eliminado da competição por não possuir alguém com o caráter decisivo e oportunista.
Na liga inglesa, já é o novo detentor do recorde da artilharia da Liga com 36 gols. Halland bateu o recorde do novo e do antigo modelo que pertenciam a Mohamed Salah e Andy Cole com 32 e 34 gols, respectivamente. “Ele faz gol na proporção que pisca o olho”, comentou a jornalista do Globo Esporte, Laura Oliveira.
Na Champions League, é apenas a segunda final da história para o City, e a primeira de Haaland, que jogou a competição apenas três vezes antes da atual edição. O norueguês está a uma partida de vencer três títulos na mesma temporada, a famosa tríplice coroa, que seria a Premier League, Emirates FA Cup e a gloriosa Champions League.
Com todos esses números e títulos, não seria loucura pensar que Haaland chegaria como favorito para a Bola de Ouro. Porém, a questão divide opiniões. “Ele tem feito muitos gols, mas de rendimento por exemplo, acho que ele vai precisar muito mais”, disse Elano, ex-jogador do Manchester City. “Se o critério for a conquista da Champions, Haaland larga na frente”, comentou o jornalista Celso Unzelte.
A certeza mundial é que Erling Haaland, apelidado de “o cometa”, é presente e tem futuro no mundo do futebol, com apenas 22 anos e muitos títulos para conquistar, com certeza já se colocaria no hall de ídolos do Manchester City. O garoto tem tudo para ganhar cada vez mais, definitivamente um dos melhores do mundo atualmente, com chances de ser um dos maiores da história.

Lautaro Martínez

Na Inter, o destaque é o centroavante argentino Lautaro Martínez que, era uma grande esperança, mas não fez uma grande Copa do Mundo, vem sendo decisivo na liga Italiana e na Champions League . No jogo da volta contra o Milan, durante a semifinal, o atacante marcou o único gol da partida.
Caso “der zebra” e a Inter de Milão ganhe a Champions League, Martínez não assume o posto de favorito para a conquista da Bola de Ouro, diante de possíveis nomes como Lionel Messi, Haaland, Mbappé e Vinícius Júnior, que possuem mais relevância do que o jogador argentino.

O jogo acontecerá no próximo dia 10 de Junho, às 16 horas (Brasília). A partida será transmitida pela plataforma de streaming HBO Max, diretamente do Estádio Olímpico Atatürk, em Istambul.

Ouça o podcast com o Víctor Lopes, narrador e apresentador da TNT: